4.5
(13)

O rio Amazonas uma vez fluiu na direção oposta

Entre 65 e 145 milhões de anos atrás, o rio Amazonas corria em direção ao Oceano Pacífico, na direção oposta à que corre hoje. Onde hoje fica a foz do rio Amazonas, havia um planalto que permitia esse fluxo de oeste. A ascensão da Cordilheira dos Andes no oeste forçou o rio Amazonas a inverter o curso.

O rio Amazonas tem o maior volume de água doce de qualquer rio do mundo. O rio libera cerca de 200.000 litros de água doce no oceano a cada segundo. Juntos, esse fluxo de água doce representa quase 20% de toda a água do rio que entra no mar.

É o maior rio do mundo em volume

O rio Amazonas tem o maior volume de água doce de qualquer rio do mundo. O rio libera cerca de 200.000 litros de água doce no oceano a cada segundo. Juntos, esse fluxo de água doce representa quase 20% de toda a água do rio que entra no mar.

E o segundo rio mais longo da Terra

Com cerca de 6437 quilômetros de comprimento, o rio Amazonas é o segundo maior rio do mundo. A impressionante extensão do Amazonas é superada pelos 6649 quilômetros do Rio Nilo. Atrás do Amazonas, o próximo rio mais longo é o rio Yangtze, que é apenas cerca de 130 quilômetros mais curto que o Amazonas.
Afeta os níveis de água no Caribe

O rio Amazonas libera tanta água doce no Oceano Atlântico que altera o nível do mar no Caribe. À medida que a água doce sai da foz do Amazonas, ela é captada pela Corrente do Caribe, que transporta a água para as ilhas do Caribe.

Em média, os modelos preveem que o rio Amazonas sozinho faz com que os níveis do mar ao redor do Caribe sejam cerca de 3 cm mais altos do que seriam sem as contribuições de água doce da Amazônia.

É o lar do golfinho do rio Amazonas

O golfinho do rio Amazonas (Inia geoffrensis), também conhecido como boto ou boto, é uma das quatro espécies de botos “verdadeiros”. Ao contrário de suas contrapartes oceânicas, os golfinhos de rio vivem exclusivamente em habitats de água doce. Com base em um golfinho fossilizado descoberto na Bacia de Pisco, no Peru, estima-se que o golfinho do rio Amazonas tenha evoluído cerca de 18 milhões de anos atrás.

Embora o boto-cinza seja bastante abundante nas águas dos rios Amazonas e Orinoco, atualmente é considerado uma espécie ameaçada de extinção devido ao recente declínio populacional resultante de uma série de atividades humanas. Os golfinhos são mortos por pescadores para serem usados ​​como isca para pegar bagres.

Nenhuma ponte

Todos os 10 milhões de pessoas que vivem às margens do rio Amazonas só podem atravessar o fluxo de água doce de barco. A falta de pontes se deve, em parte, às mudanças sazonais no leito do rio Amazonas. Durante a estação chuvosa, o rio Amazonas pode subir mais de 30 pés, triplicando a largura do rio em alguns lugares. As suaves margens do rio Amazonas sofrem erosão com a inundação sazonal da água da chuva, transformando áreas anteriormente robustas em planícies de inundação instáveis. Qualquer ponte para cruzar o rio Amazonas precisaria ser incrivelmente longa para ter uma base segura. Há também poucas estradas que ligam ao Rio Amazonas, sendo o próprio Rio Amazonas usado para as necessidades de transporte da maioria das pessoas.

Atravessa quatro países

O rio Amazonas passa pelo Brasil, Colômbia, Peru e Venezuela, sendo que o Brasil detém de longe a maior porção do rio. A bacia hidrográfica do rio Amazonas, ou as áreas de onde recebe água doce, inclui ainda mais países. As chuvas na Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela também abastecem o rio Amazonas com grande parte de sua água doce.

Como uma ampla rede, a bacia hidrográfica do rio Amazonas coleta chuvas de quilômetros ao redor do rio Amazonas, incluindo a Cordilheira dos Andes e a Floresta Amazônica.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 13

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.