Para onde vai o seu baldinho?

Descubra o caminho do baldinho do Ciclo Orgânico depois que ele sai de sua casa.

Você já se questionou alguma vez para onde vai os resíduos do seu baldinho depois da coleta? E ficou pensando “eu sei que serão compostados, mas para onde o ciclista está indo? ” As dúvidas acabaram! Irei explicar tudinho neste artigo! ☺

Todos os dias, de segunda à sexta, os ciclistas passam nas residências para realizarem as coletas pela manhã e encaminham os resíduos coletados para pontos de compostagem parceiros do Ciclo. Entre eles estão o Parque do Martelo, localizado no Humaitá, a escola municipal Camilo Castelo Branco no Jardim Botânico e o CIEP Rubro Negro, no Leblon. Estas parcerias são de suma importância pelo espaço cedido para o tratamento dos resíduos e pela junção de sustentabilidade e educação ambiental nas escolas e no parque – este que recebemos visitas de escolas, creches e pessoas interessadas em conhecer o espaço e saber um pouco mais sobre nós.

E lá vamos nós! Se você reside em Botafogo, Humaitá, Lagoa ou Fonte da Saudade, os seus resíduos são encaminhados para o Parque do Martelo. Um lugar super tranquilo e agradável. Neste lugar você pode aproveitar para passar o dia com a família, principalmente crianças, há um parquinho com brinquedos específicos para cada faixa etária, variando de 1 – 9 anos. É um espaço público, aberto a visitação e conta com exposições e eventos mensais.

O Parque foi o nosso primeiro pátio de compostagem e desde que iniciamos, tratamos mais de 50 toneladas de resíduos orgânicos, produzimos mais de 30 toneladas de composto orgânico e evitamos a emissão de mais de 38 toneladas de CO².
Saiba mais sobre o espaço clicando aqui. ☺

 

Já para as pessoas que residem no Jardim Botânico ou Gávea, os resíduos são levados para a Escola Municipal Camilo Castelo Branco. Desde o primeiro semestre de 2016, formalizamos uma parceria com a escola para a utilização de uma pequena área junto ao canteiro externo do colégio para fazer a compostagem dos resíduos coletados. Este foi o nosso segundo pátio de compostagem e desde que o iniciamos, tratamos mais de 18 toneladas de resíduos orgânicos, produzimos mais de 10 toneladas de composto orgânico e evitamos a emissão de mais de 13 toneladas de CO². Saiba mais sobre o espaço clicando aqui. ☺

Já a galera que reside em Ipanema, Leblon, Leme e Copacabana, os resíduos são levados para o CIEP Rubro Negro. Desde o segundo semestre de 2017 iniciamos uma parceria para a utilização de uma área externa da escola, onde realizamos a compostagem e produzimos o adubo, que hoje está sendo utilizado na horta da escola desenvolvida entre os professores e alunos do CIEP. Este foi o nosso terceiro pátio de compostagem e desde que o iniciamos, coletamos mais de 20 toneladas de resíduos orgânicos, produzimos mais de 12 toneladas de composto orgânico e evitamos a emissão de mais de 15 toneladas de CO². Saiba mais sobre o espaço clicando aqui. ☺

E Por fim – digo por enquanto – a galera que mora nos bairros Urca, Flamengo, Laranjeiras, Cosme Velho, Catete, Glória, Centro e Lapa, os resíduos são encaminhados para o espaço da UERJ, na Lapa.  Desde o primeiro semestre de 2017 iniciamos uma parceria com a Escola de Design Industrial para a utilização de uma área externa da universidade, onde realizamos a compostagem e produzimos o adubo – destinado para os projetos de horta urbana dos universitários. Este foi o nosso quarto pátio de compostagem e desde que o iniciamos, tratamos mais de 3 toneladas de resíduos orgânicos, produzimos mais de 1,8 toneladas de composto orgânico e evitamos a emissão de mais de 2 toneladas de CO².

Quer o Ciclo Orgânico no seu bairro? Conhece algum lugar que seria bacana ser um pátio de compostagem parceiro? Fale com a gente! Ou diga nos comentários e compartilhe conosco! Em breve estaremos em novos bairros. ☺ #FecheOCiclo

Autor:
Thamyris Soliva
Sobre:
Thamyris Soliva, 24 anos, carioca e apaixonada pela natureza e animais! Publicitária em formação pela Universidade Veiga de Almeida, namorada do Lucas e mais um braço do Ciclo Orgânico desde 2015.
Mais artigos de: Thamyris Soliva

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*