Como tornar o seu carro mais sustentável – Parte 1

Os carros são responsáveis por grande parte das emissões de gases poluentes na atmosfera. Mas se você realmente necessita andar de carro, vamos dar algumas dicas para tornar este hábito mais sustentável.  Apesar de haver diversas tecnologias em evolução e desenvolvimento, como os carros movidos a hidrogênio, a maior parte da população ainda usa carros convencionais, por isso é necessário este cuidado especial. O consumo de combustível, além de poluir o ar, é a principal despesa de um carro (segundo um levantamento feito pela Exame, um proprietário de um carro gasta em média entre 2.000 e 7.000 reais por ano com combustível). Neste texto você verá técnicas que podem ajudar a reduzir em até 40% o consumo de gasolina.

Evite acelerar e freiar muito

Pisar demais no acelerador faz o seu carro consumir mais combustível, sem falar no risco de acidentes. Acima dos 90 km/h o consumo aumenta de forma significativa. A 110 km/h o consumo aumenta 25% em relação a 90 km/h. Um dos motivos é que a resistência do ar aumenta quanto maior é a velocidade.

Andar devagar demais em marchas menores também aumenta o consumo. A velocidade média ideal para não consumir muito combustível é entre 40 km/h e 70 km/h.

Tendo em vista que o que mais gasta combustível é este “acelera e para” fique a uma distância segura do carro à sua frente e evite frenagens e acelerações bruscas. Em relação aos semáforos, quando abrir não acelere bruscamente, vá ganhando velocidade aos poucos. Na hora de frear diante do sinal vermelho, freie calmamente.

Se estiver em uma descida, engate as marchas mais lentas ao invés de frear muito. Antes da subida, acelere quando estiver na parte plana, e não na parte íngreme.

Segundo uma reportagem da Revista Quatro Rodas, a redução do consumo de combustível de uma direção bem planejada e calculada pode chegar a 40%

Calibre os pneus

Uma pesquisa feita pela marca de pneus Pirelli constatou que 80% das pessoas dirigem por aí com os pneus descalibrados.

Pneus murchos exigem mais combustível! Imagine pedalar uma bicicleta com os pneus murchos. O nível de esforço é muito maior, e o mesmo vale para os carros. O que acontece é que pneus cheios possuem menos atrito com o solo, o que reduz o consumo de combustível. Logo, calibre os pneus a cada 15 dias.

Além de evitar o consumo de combustível, pneus calibrados e alinhados duram mais tempo pois desgastam mais devagar, e assim não são descartados rapidamente. Isto sem falar que os pneus são os componentes de desgaste mais caros..

Mas não encha demais os pneus! Isto pode forçar a suspensão do carro.

Confira no manual do carro a quantidade de libras necessárias para calibrar os pneus, principalmente os dianteiros pois estão sob o peso do motor. Outra dica é calibrar os pneus ainda frios, ou seja, sem terem rodado mais do que 3 km. O motivo é que a pressão real dentro dos pneus acaba sendo modificada pelo calor.

Você pode calibrar os pneus praticamente em qualquer posto de gasolina e é de graça.

Abasteça em postos de confiança

Gasolina adulterada pode danificar o seu motor e emitir mais poluentes do que o recomendado.

Postos com má aparência, marcas desconhecidas e preços muito baixos podem ser sinal de furada! Um indício de que você pode ter abastecido com “gasolina batizada” é quando o carro consome mais litros por quilômetros rodados (basta calcular usando a contagem de quilometragem no painel do veículo). O cheiro diferente da gasolina, muita fumaça saindo no cano de descarga, barulhos estranhos e constantes “mortes” do motor também são outros indicadores.

Você sabia que existe um aplicativo que indica a qualidade da gasolina de cada posto? O nome dele é Posto Fiel e é um aplicativo grátis.

Desligue o ar ou abrir as janelas?

Você sabia que o uso do ar condicionado nos carros podem consumir até 20% mais de combustível? Desse modo o veículo emite mais gases poluentes rapidamente. A única situação em que é mais vantajoso ligar o ar condicionado do que abrir as janelas é quando o veículo está a mais de 80 km/h. Com as janelas abertas, o fluxo de ar que entra no carro faz o motor forçar mais para manter a velocidade, ou seja, há um arrasto aerodinâmico. Para perceber como isso funciona basta pôr a mão pra fora do veículo para sentir a resistência do ar, ou então pense em um paraquedista que abre o paraquedas e a resistência do ar diminui sua velocidade.

Segundo os engenheiros da SEAT, fabricante automotiva espanhola, as reações de um condutor a uma temperatura de 35 graus é 20% mais lenta – o mesmo percentual para pessoas levemente alcoolizadas. Sem falar que no verão a temperatura no interior do veículo pode ser bem maior do que 35 graus…

E para evitar que o ar condicionado seja forçado, estacione sempre na sombra. Mas e se você não achou uma vaga na sombra, teve que estacionar no sol, e na hora de entrar no carro estava um calor enorme? A vontade que dá é ligar o ar condicionado na menor temperatura, mas isto não é aconselhável. A dica aqui é abrir as janelas e ligar a ventilação do carro, ou seja, equilibre a temperatura antes, e quando a temperatura estiver mais amena aí sim ligue o ar condicionado.

Está no carro com mais pessoas? Não vire o ar para cima de você, se não apenas você será beneficiado.

Evite trajetos curtos

Isto porque o motor leva tempo para atingir a temperatura que possibilita a eficiência ótima no consumo de combustível. Se for um trajeto curto demais o motor ficará neste estado ineficiente. Trafegar em marchas lentas e fazer muitas paradas também elevam o gasto.. Portanto, desvie também de ladeiras, congestionamentos e ruas com muitos semáforos.

Descarte o óleo corretamente

Quem faz a troca de óleo é o mecânico, portanto, antes de levar o seu carro a uma oficina, procure saber se ela possui uma política de descarte de resíduos ambientalmente responsável. Ou na própria oficina, procure o responsável e pergunte a respeito desse assunto.

O que acontece é que após a sua vida útil, o óleo torna-se um resíduo perigoso se descartado inadequadamente, pois pode contaminar o meio ambiente. Pelo fato de poder ser reutilizado, não é considerado um rejeito. O ideal é destinar a um rerrefinador que retirará os contaminantes do óleo e recuperar a máxima quantidade possível do óleo lubrificante. A responsabilidade é do dono do carro e de quem faz a troca da substância. Além disso, é direito do consumidor exigir que o revendedor do qual comprou o óleo efetue gratuitamente a troca.

Revisões periódicas

É fundamental assegurar que as revisões periódicas sejam feitas conforme estabelecido no manual do proprietário. Essa rotina faz com que o seu veículo funcione adequadamente e polua o mínimo possível.

Algumas peças que devem ser avaliadas na revisão são: catalisador, velas, cabo do acelerador, escapamentos, filtros, e embreagem.

Além da periodicidade, outros motivos que podem fazer você levar o veículo a revisão são barulhos estranhos no motor e fumaça em excesso.

Gostou da matéria e ficou interessado em ler a Parte 2? Clique aqui!

Matheus Chiabi
Autor:
Matheus Chiabi
Sobre:
Matheus Chiabi, 27 anos, formado em publicidade. Gosta de escrever, fotografia, futebol e cerveja.
Mais artigos de: Matheus Chiabi

1 Comment

  1. Muito interessante as dicas para tornar o carro mais sustentável. Algumas, eu já até praticava e pretendo adotar todas no meu dia a dia. Felizmente, consegui reduzir o uso do carro semanalmente. Lamento que o uso da bicicleta seja tão perigoso no Rio de Janeiro..

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*