Cidades super sustentáveis: Kamikatsu, Japão

No início tudo funcionava da maneira como estamos acostumados a ver por aí: poluição, aterros, incineração, etc. Mas de 20 anos pra cá, essa pequena cidade japonesa com 1500 habitantes mudou sua maneira de gerir o lixo, tornando-se uma das cidades mais sustentáveis e referência mundial no assunto. 

Para se ter uma ideia, em 2018, 80% das 286 toneladas de resíduos gerados foram reciclados! Esse é um dos maiores índices mundiais de reciclagem (em um dos países que mais usam plástico no mundo).

O projeto Zero Waste Academy

No início não foi fácil convencer a população. Isso porque a ideia do projeto era a de que as pessoas levassem seus resíduos até pontos de entrega ao invés de terem um sistema de coleta domiciliar. Mas o município conseguiu convencer a população a aderir a ideia por meio de reuniões onde explicava a importância do sistema. A surpresa foi a adoção em massa ao sistema, uma vez que começaram a experimentar a idéia e verem que não era tão difícil assim.

Como é feita a separação? 

Ao contrário da separação do lixo na maioria das cidades do mundo, que normalmente é dividida em apenas papel, plástico, alumínio, vidro e orgânicos, em Kamikatsu hoje existem mais de 60 categorias diferentes. Uma latinha de cerveja, por exemplo, se for de alumínio vai para um recipiente, se for de aço para outro. Os papéis são separados em jornais, cartão, papelão, cartolina, cartolina com alumínio e copos de papel. Existem recipientes para destinar inclusive escova de dentes e travesseiros! Ah, e nos pontos de entrega há funcionários que garantem que os resíduos estejam nos locais certos. 

É muito importante que os resíduos estejam totalmente preparados para a reciclagem, isto é, por exemplo, garrafas plásticas devem estar sem tampinhas e rótulos, e estes vão para recipientes adequados.

Outro fato muito interessante é que a cidade possui um sistema de transporte que transporta não resíduos, mas sim pessoas até os pontos de separação (um dos motivos é o relevo montanhoso e a grande distância entre uma casa e outra). Dessa forma, ir ao centro entregar os resíduos passou a ser um passatempo e evento social, deixando de ser uma obrigação.

Lojas de troca

Além de serem grandes recicladores, a população também tem outra ação muito sustentável, que é a de frequentar lojas de troca. Nelas pode-se trocar roupas e utensílios domésticos por exemplo.

Sobre o plástico

Como já foi mencionado, o Japão é um dos maiores utilizadores de plástico do mundo. Portanto, o governo estipulou como meta reduzir em um quarto da produção até 2030. Mais do que medidas de reciclagem é preciso controlar a produção de utensílios de plástico pelas indústrias. 

Como tudo começou

No ano de 2000, a cidade teve que parar o funcionamento de um dos incineradores existentes devido ao nível de poluição acima do permitido. Havia duas soluções: ou levar os resíduos para outra cidade, o que custaria caro para uma vila tão pequena, ou então mudar drasticamente a forma de produzir resíduos, e foi essa a opção escolhida. E uma das consequências foi a redução de um terço do custo para incinerar os resíduos.

Turismo ambiental

Desde que tornou-se referência em sustentabilidade, a cidade passou a receber entidades de diversos países para receberem workshops sobre redução e reutilização do lixo. Assim a cidade passou a ter hotéis e restaurantes frequentemente visitados por turistas.

Kamikatsu também já está influenciando outras cidades no Japão, como é o caso de Minamata, Oki, e Hayama que já anunciaram que estão seguindo o seu modelo de reciclagem.

Agradecimento: Roberto Sabatini

Referências:

seibysusana.com/kamikatsu-um-exemplo-na-reutilizacao-e-reciclagem/

publico.pt/2020/01/06/p3/noticia/kamikatsu-vila-japonesa-quer-atingir-desperdicio-zero-2020-1899178

projetocolabora.com.br/ods14/cidade-sem-lixo/

shifter.sapo.pt/2020/03/kamikatsu/

ciclovivo.com.br/planeta/desenvolvimento/cidade-do-japao-recicla-80-do-lixo/

portaldosresiduos.com.br/noticias/cidade-japonesa-separa-seu-lixo-em-45-categorias/

rmai.com.br/cidade-japonesa-pretende-ser-a-primeira-do-mundo-a-ter-lixo-zero/

Matheus Chiabi
Autor:
Matheus Chiabi
Sobre:
Matheus Chiabi, 27 anos, formado em publicidade. Gosta de escrever, fotografia, futebol e cerveja.
Mais artigos de: Matheus Chiabi

1 Comment

  1. Esta mensagem fabulosa mostra que depende de CADA UM colaborar , pois é assim que dá certo !!!
    Gostei ! Agradeço = Dagmar

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*